Assassinato de jornalista da Colômbia impune há mais de 20 anos é reconhecido como crime contra a humanidade Reprodução

Assassinato de jornalista da Colômbia impune há mais de 20 anos é reconhecido como crime contra a humanidade

O assassinato do jornalista Nelson Carvajal Carvajal, ocorrido em 16 de abril de 1998, foi declarado pelo Ministério Publico da Colômbia como um crime contra a humanidade, o que impede sua prescrição. A sentença, de 14 de agosto, foi comemorada por entidades de defesa ao jornalismo e aos direitos humanos, entre elas a Sociedade de Interamericana de Imprensa (SIP, em espanhol), a Robert F. Kennedy Human Rights (RFK Human Rights) e Fundação para a Liberdade de Imprensa (FLIP, na sigla em espanhol).

As presidentes da SIP e da RFK Human Rights, María Elvira Domínguez e Kerry Kennedy, respectivamente, fizeram um "chamado à Justiça colombiana para que redobre seus esforços para que o crime seja esclarecido e os autores materiais e intelectuais sejam condenados". Maria e Kerry também instaram o governo da Colômbia a cumprir com urgência as demais medidas de reparação ordenadas pela Corte Interamericana de Direitos Humanos (Corte IDH), que em março de 2018 responsabilizou o Estado colombiano pelo assassinato de Carvajal Carvajal.  Mais de um ano após a sentença, as medidas permanecem pendentes.

Na decisão de março do ano passado, a Corte IDH considerou o Estado colombiano como responsável pelo homicídio do jornalista e por não garantir o direito da vítima à liberdade de expressão. O tribunal determinou que a Colômbia também é culpada de não oferecer garantias judiciais para investigar o crime, além de não proteger os familiares de Carvajal Carvajal. “A Corte considera que o assassinato de Nelson Carvajal Carvajal se enquadra num contexto generalizado de impunidade pelos assassinatos de jornalistas que ocorreram na época dos fatos deste caso na Colômbia”, diz a sentença.

Carvajal Carvajal foi baleado ao sair de uma escola em direção a uma emissora no município de Pitalio, departamento de Huila. Na época, o jornalista era o diretor do programa de notícias Momento Regional e dos programas de rádio Mirador de la Semana e Amanecer en el Campo da Emisora Radio Sur em Pitalito, de acordo com a FLIP. O profissional era reconhecido por investigar denúncias casos de corrupção na administração pública.

Leia mais em:

https://www.sipiapa.org/notas/1213339-sip-rfk-human-rights-y-flip-aplauden-declaratoria-lesa-humanidad-del-homicidio-del-periodista-nelson-carvajal