Sites produtores de desinformação e extremismo continuam a ganhar milhões de dólares com anúncios digitais Reprodução

Sites produtores de desinformação e extremismo continuam a ganhar milhões de dólares com anúncios digitais

Mesmo depois dos sucessivos escândalos envolvendo a propagação de desinformação e ódio nas redes sociais, nos aplicativos de mensagens e em motores de busca na internet, a produção de notícias falsas ou de conteúdo extremista continua a gerar lucro. Os investimentos em anúncios programáticos, diz novo estudo a Global Disinformation Index, resultam em pelo menos US$ 235 milhões de pagamentos anuais a sites de informação fraudulenta ou inadequada que veiculam as peças publicitárias quase sempre sem que os anunciantes saibam onde estão expostas suas marcas.   

A pesquisa da Global Disinformation Index, organização sem fins lucrativos que avalia o risco dos sites de espalhar desinformação e classifica-os com base na transparência, foi realizada com base em mais de 20 mil sites conhecidos por espalhar desinformação. O levantamento será divulgado na íntegra em setembro, mas Danny Rogers, diretor de tecnologia da Global Disinformation Index, revelou alguns números à CNN que, segundo ele, são apenas "a ponta do iceberg".

Diante da pouca eficiência das empresas digitais como Google e Facebook no combate à desinformação, as marcas anunciantes têm procurado monitorar a web para localizar o mais rápido possível onde seus anúncios são veiculados. "Há muito tempo os anunciantes veem a mídia como alcance e frequência, e agora eles também precisam vê-la com responsabilidade", diz Matt Rivitz, da Sleeping Giants, um grupo fundado após a eleição norte-americana de 2016 como o objetivo de ajudar as marcas que investem em publicidade digital. "É ruim para a sociedade se eles estão financiando esse ódio e desinformação".

Leia mais em:

https://www.mediapost.com/publications/article/339411/report-problematic-ads-fund-235-million-on-dis.html

https://wgntv.com/2019/08/18/websites-that-peddle-disinformation-make-millions-in-ad-dollars-study-finds/