INMA divulga finalistas do Global Media Awards; projetos brasileiros disputam quatro categorias

INMA divulga finalistas do Global Media Awards; projetos brasileiros disputam quatro categorias

A International News Media Association (INMA) anunciou os 173 finalistas para o concurso INMA Global Media Awards 2020, que premia a inovação e a excelência no engajamento de público, na valorização da marca e no aumento de receitas. Três empresas brasileiras estão na etapa final da competição. Os vencedores de 15 categorias divididas em dois grupos, Marcas Globais e Marcas Regionais, além do cobiçado “Best in Show”, serão conhecidos em 28 de abril, na 90ª edição do Congresso Mundial de Mídia da INMA, em Paris.

Neste ano, a competição contou com 824 inscrições de 242 novas marcas em 44 países. Os finalistas são da África, Ásia/Pacífico, Europa, América Latina e América do Norte. A Índia tem o maior número de finalistas com 29, seguidos pelos Estados Unidos com 27, Noruega com 14 e Austrália com 12.

Do Brasil, o Grupo RBS, do Rio Grande do Sul, tem dois projetos presentes na última fase da disputa, no grupo Marcas Regionais: o Super App GaúchaZH e o projeto “Tá e Daí?”. Concorrendo na categoria “Melhor nova tecnologia ou produto digital”, o novo aplicativo de GaúchaZH participa da premiação apenas quatro meses após seu lançamento. Desenvolvido a partir de pesquisas realizadas com 1.577 usuários e assinantes, a plataforma foi remodelada com foco na experiência do usuário, estreando um design mais arejado e novos recursos, como ferramenta de busca, notificações personalizadas, melhor visualização de conteúdos multimídia, novo sistema de login, entre outros.

“O mais importante para nós é que construímos o Super Aplicativo GaúchaZH a partir de pesquisas com nosso público. Queremos, cada vez mais, entender como os usuários consomem jornalismo digital, para entregar produtos ainda melhores. E os resultados estão aí, tanto em audiência, quanto em relevância nacional e internacional”,  afirma a vice-presidente de Produto e Operações do Grupo RBS, Andiara Petterle.

Na categoria “Melhor ideia para prospecção ou retenção de clientes de publicidade”, concorre o “Tá e Daí?”, um serviço exclusivo oferecido pelo Grupo RBS que, a partir do objetivo de ser cada vez mais próximo e parceiro de seus clientes, busca entender os desafios de negócio de uma marca e criar soluções em conjunto com ela. Desde 2017, o projeto já trabalhou em parceria com 13 clientes – compreendendo profundamente seus desafios e oportunidades de negócio e co-criando soluções que possam aprimorar seus resultados.

Gastronomia e economia local

A Editora Globo, do Rio de Janeiro, é finalista na categoria “Melhor uso de um evento para criar uma marca de notícias”, também dentro do grupo Marcas Regionais, com o Rio Gastronomia. Segundo a empresa, a iniciativa é hoje mais do que o maior evento de gastronomia do Brasil. Trata-se, informa a editora, de uma plataforma que une profissionais famosos e jovens talentos, marcas importantes do setor, alguns dos melhores restaurantes, bares e food truks do Rio, produtores de diversas partes do estado e dezenas de milhares de pessoas apaixonadas pelo universo da gastronomia. “Todos juntos, movimentando o setor, prestigiando a economia local e celebrando a nossa cidade”.

Outro finalista brasileiro o jornal CORREIO, da Bahia, na categoria "Melhor iniciativa para aprimorar a cultura corporativa, em Marcas Regionais, com o projeto Prêmio Correio de Futuro. A iniciativa foi criada como uma das ações do especial CORREIO 40 anos, em homenagem ao aniversário de quatro décadas do jornal, comemoradas em 2019.

A ideia do projeto vencedor é que o leitor envie sugestões de pautas e acumule pontos pelas ideias. Um robô organizará as propostas e oferecerá as melhores opções para o repórter, a depender da editoria. Assim, o leitor participa ativamente do processo de produção e enxerga sua ideia no papel e na página online do CORREIO. Esse programa foi batizado de Leitor Pauteiro.

Os estudantes executam o plano com auxílio de mentoria, receberam R$ 10 mil em prêmios e puderam participar de uma palestra com a gerente de pesquisa do jornal argentino La Nación, Florencia Coelho, que explicou como a inteligência artificial pode revolucionar o jornalismo.

"Tivemos excelentes projetos, a final foi muito disputada e acabamos ultrapassando a Bahia, já que tivemos até finalistas de Pernambuco. Estamos promovendo inovação de forma muito ágil no CORREIO e o prêmio foi uma maneira de incorporar novos conhecimentos. Aprendemos muito com esses meninos. Ser finalista é um reconhecimento disso tudo", completa Juan Torres.

Leia aqui mais informações sobre a premiação e a lista completa dos finalistas.